ENEM: saiba como usar a nota para estudar em universidades estrangeiras

ENEM chegando e nossos alunos que se prepararam durante todo o ano - por meio do nosso projeto forte de produção de texto, composto por aulas de técnicas de redação, competições e diversos simulados, incentivo à leitura, contato com diversos temas da atualidade, entre outros -

para alcançarem as melhores notas na avaliação. E alcançam!


Só em Portugal, quase 50 instituições aceitam a nota do exame para selecionar candidatos brasileiros. Isso acontece desde 2014, quando o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), ligado ao MEC (Ministério da Educação) passou a firmar acordos de cooperação com universidades e institutos portugueses.

A Universidade de Coimbra (UC) foi a primeira a aceitar o ENEM. Outras escolas a seguiram pouco tempo depois. Um acordo feito em 2020 ampliou o número de universidades portuguesas que aceitam a nota do nosso exame de ensino médio.

Em Coimbra, as notas do exame têm pesos diferentes para cada curso. A pontuação mínima de candidatura na graduação é 120 na escala portuguesa de 0-200, o que equivale a 600 na escala do exame brasileiro.

Além da UC, outros exemplos de instituições de ensino superior em Portugal que admitem o exame são a Universidade do Porto, Universidade de Lisboa, Universidade do Algarve, Instituto Politécnico do Cávado e do Avre (IPCA) e o Instituto Politécnico de Leiria. Os convênios do MEC com universidades portuguesas, porém, não envolvem transferência de recursos ou financiamento estudantil por parte do governo brasileiro, já que o país europeu cobra taxa dos graduandos para estudar. Veja no link a lista completa de universidades portuguesas que aceitam o ENEM: http://portal.inep.gov.br/enem/enem-portugal

Outras universidades e faculdades internacionais que aceitam o ENEM

Embora as parcerias formais do Ministério da Educação só sejam firmadas com Portugal, outros países (como Inglaterra, França, Irlanda e Canadá) também consideram a nota do ENEM para o ingresso em um curso de graduação.

No Reino Unido, a nota do ENEM é exigida para ingresso nas universidades de Oxford, Kingston e Bristol. É importante destacar que elass também podem pedir a realização do vestibular local. Nas instituições britânicas, a nota do Exame Nacional do Ensino Médio é somada a outros tópicos, como fluência em inglês, histórico escolar do candidato no ensino médio e atividades extracurriculares. Já na França, apesar de algumas universidades francesas também aceitarem o ENEM, o acesso de brasileiros por meio do exame é um pouco mais complexo. Isso porque as instituições costumam exigir que os candidatos tenham sido aprovados antes, no Brasil, em cursos semelhantes àqueles para os quais estão aplicando no país europeu.

Nos Estados Unidos, a New York University recentemente optou por aceitar a nota do ENEM para todos os cursos de graduação, em substituição às provas padronizadas tradicionais (SAT ou ACT). Isso acontece porque a universidade recebe candidaturas de estudantes de outros países, que não foram preparados para esses testes padronizados pelas escolas onde estudaram. Por esse motivo, a NYU criou a Test Flex Policy, que permite aceitar exames de outras nacionalidades.

Os brasileiros que queiram usar o ENEM para se candidatar à instituição estadunidense podem enviar a própria nota. No entanto, os responsáveis pela escola onde cursaram o ensino médio devem confirmar o resultado para que a pontuação seja oficializada pela New York University.

No Canadá, a Universidade de Toronto (uma das melhores do país) exige que o candidato apresente sua nota do ENEM junto ao seu diploma do ensino médio. A pontuação do candidato na prova também contará pontos na sua candidatura.

O que saber para usar o ENEM no exterior

Uma vez que cada universidade estabelece suas próprias regras para aceitar a nota do exame nacional, o ideal é ficar de olho nos sites das instituições de fora onde você deseja estudar, para não perder os prazos de aplicação e reunir a documentação necessária.

Vale lembrar também que entrar numa faculdade fora do Brasil pelo ENEM não é só questão de enviar a nota da prova brasileira e esperar a carta de aceite. O ENEM não muda outras exigências do processo seletivo, como comprovação de proficiência no idioma, envio de cartas (de recomendação, motivação, etc), entre outros documentos.

Como usar sua nota do ENEM para estudar no exterior

1. Informe-se!

No caso de Portugal, o Ministério da Educação tem parcerias firmadas com universidades específicas. Há também outros países com universidades que aceitam a nota da prova. Mas, nesses casos, a metodologia muda de uma instituição para a outra.


2. Estude bastante

É muito importante ter uma boa nota na prova. Não apenas isso mostra que você é um estudante dedicado, como deixa claro que você domina uma série de conhecimentos básicos de nível de Ensino Médio. Para uma universidade estrangeira, que costuma receber estudantes formados no sistema de educação de outro país, esse é um dado importante na hora escolher um candidato brasileiro.

3. Realize a prova

Em geral, você precisa mostrar a nota do Enem mais recente na hora de se candidatar. Provas de anos anteriores dificilmente serão aceitas, então é importante realizar a prova todo ano.

4. Tenha outros documentos em mãos

Sua nota no ENEM provavelmente não será suficiente para garantir vaga numa universidade estrangeira. As instituições de fora costumam pedir outros documentos também, como CV, carta de motivação, cartas de recomendação e histórico escolar. Então é importante se informar e garantir esses documentos.

5. Avalie meios de arcar com os custos

Diferentemente das universidades públicas brasileiras, as universidades estrangeiras que aceitam o ENEM costumam cobrar anuidades. Por isso, é importante ir atrás de bolsas de estudos ou outros meios (como financiamentos) de fazer frente a essas despesas. Fonte: https://www.estudarfora.org.br/


Alunos protagonistas e prontos para criar grandes oportunidades.

Somos a melhor escola do eixo Raposo Tavares, na região do Butantã e Granja Viana, para os estudantes e suas famílias. A educação integral do indivíduo (social, afetivo, físico, intelectual e cultural) tem o poder transformador na sua vida pessoal e na sua vida em sociedade para a construção de um mundo mais humano nas relações interpessoais e mais consciente nas suas escolhas.

Nossa prática norteia o respeito, a responsabilidade, a empatia, a ética, a inteligência emocional e o compromisso social.

Fale conosco e vem para o Colégio Giusto!

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo